quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

O cara do outro lado

Você o observa de longe. Percebe cada detalhe, como se fosse a primeira vez. Como se o seu universo fosse o mesmo que o dele. Apesar de nunca terem se falado, sente que foram feitos um para o outro e que poderiam passar a eternidade juntos, com brigas, mas sem outros e outras. Ele não está do seu lado, mas por algum motivo você pode sentir todas as cócegas e carícias que ele faz em alguém.

Esse cara te faz acreditar no amor. Um amor que arde, que seca e sufoca. Mas que, ao mesmo tempo, preenche. Um espaço que sempre existiu, mas que agora ele ocupa sem saber.
A história dele te inspira e te faz querer mudar a sua, deixar todas aquelas bobagens de lado e viver intensamente como se nada importasse. Então, você fecha os olhos e imagina que tudo pode acontecer. As lágrimas são reais, os sentimentos também. Só falta uma coisa: Um pequeno detalhe que, em ausência, não deixa a história acabar dentro de você. Uma eterna repetição que te faz decorar e imaginar falas, cenas e gestos que nunca existiram.
No seu plano de fundo, nas músicas que você escuta, nas conversas com suas melhores amigas. Ele não esta aí, mas está lá, do outro lado da tela, é um personagem dentro de um filme do qual você nunca fez parte, só assistiu.
Seja bem-vinda a vida real.


Bruna Vieira (Depois dos Quinze - Pág. 76)